Você sabia que comprar casa própria não é investimento?

11/07/2022

Maria Goretti Quadros, head da Aspen Investimentos, explica que a compra da casa para moradia é considerada custo familiar
A influencer digital Camilla de Lucas, ex-participante do BBB 22, revelou à Revista Quem que já gastou mais do que o valor do prêmio do reality, R$ 1,5 milhão, na compra e reforma de sua casa própria e trata esses custos como um "investimento". No entanto, Maria Goretti Quadros, head da Aspen Investimentos, esclarece que, na verdade, a compra da casa para moradia, como é o caso da influencer carioca, entra como um custo familiar e não como investimento.
"A compra da casa própria envolve aspectos emocionais que têm bastante peso. A máxima do sonho dos brasileiros é ter a casa própria, quitar o financiamento, saber que é seu e também a tranquilidade de não pagar aluguel é muito forte no Brasil. A questão da valorização com o tempo é muito relativa, porque a pessoa deve avaliar se vale a pena esperar por esse lucro e também se a casa é destinada à moradia ou é um imóvel destinado a ser um investimento", comenta Maria Goretti.
Para evitar o endividamento com a casa própria, é importante avaliar alguns fatores que poderão influenciar na compra. A expert em investimentos e finanças aponta que a fase profissional, bem como a estabilidade financeira, deve entrar na balança antes da decisão. Se a pessoa ainda está se consolidando profissionalmente ou ainda não tem estabilidade financeira, o aluguel é uma alternativa mais flexível e, até mesmo, mais rentável.
"Alugar o imóvel pode ser mais interessante porque a compra do imóvel tem um custo alto, com impostos, taxas de cartório e corretagem. Há cálculos que apontam que, a depender da condição financeira da pessoa, vale mais a pena morar de aluguel e investir os recursos disponíveis para a entrada no imóvel próprio e, com o retorno, cobrir o aluguel e ainda sobrar para reinvestir e formar uma reserva financeira destinada à compra da casa própria", orienta.


Vale a pena vender a casa própria para investir?
Para quem deseja fazer o caminho contrário e vender a casa própria para investir os recursos, Maria Goretti alerta que essa é uma decisão familiar. "É importante analisar as condições do imóvel, a disponibilidade e conhecimento familiar para entrar no mercado financeiro e abrir mão do sonho da casa própria", pondera.
"Analisando a questão financeira, essa alternativa pode ser interessante a depender do contexto da economia, principalmente no atual cenário de pouca valorização imobiliária e taxa de juros que são convidativas para investimentos. Tanto a valorização baixa, quanto a taxa de juros altos, podem trazer um retorno interessante em cima de uma carteira de aplicação e, assim, gerar um montante considerável de juros no mês e, esses recursos, podem ser suficientes para quitar o aluguel e o condomínio. No entanto, é preciso avaliar e estudar bem o tema antes de tomar uma decisão", comenta.