Mercado de cervejas artesanais: especialista orienta como se blindar de crise

17/01/2020

Arthur Galvão destaca as ferramentas da Tríade de Confiança para evitar que o caso de contaminação da cervejaria mineira não afete esse potencial econômico capixaba

O mercado de cervejas artesanais está na berlinda após a contaminação da cerveja Belorizontina, da Backer, ter desencadeado em mais de 17 pessoas sintomas de síndrome nefroneural. O especialista em marketing de Percepção, Arthur Galvão, avalia que a crise não tende a afetar o segmento, pois o consumo de cerveja é uma questão cultural do brasileiro e, dificilmente, as pessoas pararão de beber cerveja, no entanto, o sinal amarelo de alerta deve ser ligado no que diz respeito à gestão de imagem e processos por parte das pequenas indústrias capixabas. "É o momento dos pequenos produtores de cerveja mostrarem porque é bom serem pequenos, reforçando o cuidado com a qualidade do produto e o acompanhamento de perto de todos os processos e posicionamento junto ao público".

Ele explica que o segredo é investir na confiança do consumidor para que, mesmo em uma crise do mercado, seu negócio não seja afetado. No Marketing de Percepção, é utilizado ferramentas da Tríade da Confiança que são o histórico de resultados, o compromisso e as garantias externas. Por meio do histórico, referencia-se o que já foi entregue ao cliente, fortalecendo a percepção de qualidade.

Com o pilar de compromisso, o empresário deve buscar reforçar como a qualidade e segurança fazem parte da produção artesanal de bebida. "Esse compromisso pode ser expresso por meio da Missão da empresa, por exemplo. Vale lembrar que, para quem está iniciando no mundo dos negócios e não construiu seu histórico como um pilar da tríade de confiança, assumir compromissos ousados e cumpri-los é uma das chaves para o sucesso", ressalta Arthur.

Para que os empresários capixabas do setor previnam crises no negócio, o especialista em Marketing de Percepção, Arthur Galvão, destaca as garantias externas como importante pilar para prevenir crises no negócio. "No caso do setor de cervejas artesanais, para que a tensão desencadeada pela Backer em Minas Gerais não tenha reflexos no turismo capixaba a palavra de um especialista e de autoridades contribuem para manter a credibilidade das cervejarias de nosso Estado, que movimentam o turismo na região serrana", diz.

ES

No Espírito Santo, a Rota das Cervejas, na região serrana capixaba, é um dos passeios favoritos para quem aprecia cervejas artesanais: são quatro cervejarias entre os munícipios de Domingos Martins e Venda Nova do Imigrante. Por todo o Estado, os festivais gastronômicos com a bebida como protagonista arrastam multidões e são sucesso na Grande Vitória e interior e a força deste nicho de mercado é evidenciada pelo crescimento de 70% do número de cervejarias artesanais capixabas registradas no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Atualmente, há 19 produtores legalizados no Espírito Santo.

Entenda a crise

Mais de 17 pessoas apresentaram sintomas de síndrome nefroneural por contaminação por dietilenoglicol - substância tóxica encontrada nas cervejas artesanais produzidas pela Cervejaria Backer, em Minas Gerais. Entre as vítimas está o engenheiro capixaba Luiz Felipe Teles. Vale destacar que a crise desencadeada no segmento nos vizinhos mineiros não teve registros no Espírito Santo.