Mais facilidade para devolução de dinheiro em fraudes pelo PIX

15/06/2021

Banco Central aprova mecanismo especial para devolver o valor em operações com suspeita de fraude ou de erro no sistema das instituições

Os benefícios da chegada do PIX são inquestionáveis, proporcionando muita comodidade na vida dos usuários. Mas, ainda há uma grande desconfiança em meio a este processo, devido as ocorrências de golpes e fraudes, que assustam e levam à resistência de alguns consumidores. Como ele permite transferências rápidas e gratuitas a qualquer dia e horário, os estelionatários conseguem sacar ou movimentar o dinheiro rapidamente, reduzindo o tempo da vítima para perceber a cilada e pedir o cancelamento da operação.

Na busca do aperfeiçoamento da ferramenta, o Banco Central anunciou nesta terça-feira (8) que aprovou a criação de um "mecanismo especial de devolução" do PIX - que entrará em operação dia 16 de novembro, quando o sistema completa um ano. "A criação do mecanismo padroniza as regras e os procedimentos para viabilizar a devolução de valores nos casos em que exista fundada suspeita de fraude ou nas situações em que se verifique falha operacional nos sistemas das instituições envolvidas na transação", informou o Banco Central.

De acordo com o economista e sócio da Golden Investimentos, Thomas Giuberti, esta novidade vai aumentar a segurança para as pessoas. "Em maio, o PIX já representava metade das transações bancárias. Por isso, é fundamental buscar cada vez mais melhorias para este sistema, oferecendo mais agilidade e eficiência ao processo de devolução, com uma possibilidade maior dos usuários reaverem os valores nos casos de fraude", comenta.

Desde o seu lançamento, o PIX disponibiliza uma funcionalidade de devolução que permite que o usuário recebedor devolva, total ou parcialmente, os valores de uma transação. Porém, ainda não havia uma previsão de que a devolução fosse iniciada pela instituição de relacionamento do usuário recebedor. "Atualmente, em casos de golpes ou algum problema no sistema, as instituições envolvidas precisam estabelecer procedimentos operacionais bilaterais para efetuar as comunicações relacionadas a solicitações e recebimentos de pedidos de devoluções. Isso dificulta o processo e aumenta o tempo para a análise e finalização do caso, reduzindo a eficácia das devoluções", pontuou.

Segundo o Banco Central, a devolução poderá ser iniciada pelo prestador de serviço de pagamento do usuário recebedor, por iniciativa própria ou por solicitação do prestador de serviço do usuário pagador. "A instituição que efetuar uma devolução utilizando-se do mecanismo especial, precisará notificar tempestivamente o usuário quanto a realização do débito na conta. Além disso, a transação constará do extrato das movimentações", informou o Banco Central.

Cuidados

Na hora de fazer uma transação por meio do PIX, o especialista indica que os clientes devem ter a atenção voltada para os itens de outro tipo de transação. "Fique atento aos dados do recebedor, seja para uma pessoa ou um estabelecimento comercial. Além disso, é importante reforçar que o cadastramento das chaves Pix também deve ser feito diretamente nos canais oficiais das instituições financeiras, como o aplicativo bancário, internet banking, agências ou através de contato feito pelo cliente com a central de atendimento. Jamais deve-se clicar em links recebidos por e-mails, pelo WhatsApp, redes sociais e por mensagens de SMS", orienta.