Junho Violeta: um alerta sobre o Ceratocone, doença causada pelo ato de coçar os olhos

22/06/2021

Junho Violeta é o mês da conscientização sobre a Ceratocone, doença que atinge uma em cada duas mil pessoas, e conhecida por deformar a estrutura da córnea, afinando e aumentando sua curvatura, fazendo com que fique com o formato de um cone.

Segundo a oftalmologista Liliana Nóbrega, a campanha, criada em 2018 e reconhecida pela Sociedade Brasileira de Oftalmologia, objetiva estimular a conscientização da sociedade sobre os perigos de coçar os olhos em excesso como fator de agravamento da doença, que também tem como fator de risco a pré-disposição genética ou hereditária.

Apesar de ser mais incidente nas crianças e adolescentes que têm por volta de 10 a 18 anos, a doença pode afetar a visão de pessoas com qualquer idade.

O que é Ceratocone?

O Ceratocone é uma alteração genética que afeta diretamente a córnea e que não tem cura, mas tem tratamento. Entre as principais características, está o encurvamento e a diminuição da espessura da córnea, que acabam por provocar o aumento da miopia e do astigmatismo irregular.

Apesar de não se saber ao certo o que causa a doença, um dos fatores para o seu agravamento é o ato de coçar os olhos. Muitas vezes, em decorrência do avanço da doença, a visão também passa a apresentar embaçamento, o que gera baixa acuidade visual, ou seja, diminuição da qualidade da visão.

Entre os sintomas do distúrbio, estão incluídos coceira nos olhos, visão dupla, baixa acuidade visual, fotofobia, visão embaçada e com pouca nitidez, bem como dor de cabeça e irritação visual.

O tratamento pode demandar o uso de óculos ou lentes de contato e anéis intracorneanos ao crosslinking e, em casos mais avançados, transplante de córnea.

Dicas para não coçar os olhos

  • Lavar os cílios com sabão ou shampoo neutro. A coceira nos olhos pode ser resultado de sujeira, poeira e oleosidade acumuladas nos cílios.
  • Usar colírios. Eles ajudam a reduzir a coceira nos olhos, mas é importante que sejam usados com prescrição do oftalmologista.
  • Descansar os olhos. Em tempos de pandemia, as telas passaram a predominar ainda mais nas atividades rotineiras, portanto, devido à exposição acentuada à luz dos aparelhos, é necessário descansar os olhos todos os dias, priorizando atividades que não precisam de acesso às telas.
  • Exercitar o poder da visão. Vá até a janela ou varanda e contemple a paisagem. Focar em diferentes objetos e distâncias auxilia na qualidade das funções dos olhos.

Mais informações: Dra. Liliana Nóbrega, oftalmologista e representante no Espírito Santo da Sociedade Brasileira de Lentes de Contato (Soblec) - (27) 98833-0700