Inteligência artificial ajuda na economia de R$ 50 milhões em menos de um ano

08/07/2022

José Brittes, cofundador da startup Conecta Supply, explica que os algoritmos estatísticos analisam diariamente as mudanças de mercado contribuindo para a previsão de estoque

A inteligência artificial está presente no cotidiano de parte da população: as sugestões no streaming; o reconhecimento facial em celulares; pesquisa e acionamento de eletrodomésticos por voz. No setor produtivo, a tecnologia é uma aliada da gestão, é o que afirma o executivo José Brittes, cofundador da Conecta Supply.
"Comércio e indústria, e demais segmentos produtivos, podem se beneficiar de algoritmos estatísticos na gestão de seu estoque. A inteligência artificial aplicada à gestão de estoque, por exemplo, pode resolver problemas desde produtos encalhados e outros em excesso, baixo nível de serviço de fornecedores e até o abastecimento ineficiente dos pontos de vendas por meio da automação de processos e integração de sistemas", aponta Brittes.
Para o especialista de E-commerce e Marketplace da OXIMAQ, Douglas Hideki, a automação de processos é o caminho para a sobrevivência dos negócios no meio digital. "Investir em tecnologia mudou nosso trabalho da água para o vinho. Antes, o controle de estoque e precificação era realizado manualmente e, com isso, chegamos a perder dinheiro porque o preço-base era atualizado pelo fornecedor e, na ponta, ainda estávamos cobrando menos por três dias, até uma semana", relembra.
Hideki destaca que a tecnologia é fator estratégico para quem atua no meio digital. "A gestão de estoque ajuda desde a reputação nos marketplaces, contribuindo para atender ao cliente de maneira assertiva. Além disso, o tempo que é 'economizado' com automação de tarefas, os profissionais podem se dedicar à uma atuação mais estratégica, buscando soluções para melhorar os resultados em vez de ficar ligado às planilhas", comenta.
A economia proporcionada pela tecnologia é uma realidade: em oito meses, a startup capixaba de gestão de cadeia de suprimentos alcançou a marca de R$ 50 milhões de economia ao caixa de seus clientes.
Brittes afirma que a conquista foi possível devido à otimização da gestão de tempo e recursos. "Essa economia foi apurada na melhoria da gestão dos investimentos em estoque proporcionada pela Conecta, apurando os gargalos de melhoria entre o excesso (encalhados no estoque) e em ruptura (quando há falta)", explica.


Tecnologia capixaba
Brittes explica que a tecnologia desenvolvida no Espírito Santo, pela startup Conecta Supply, utiliza algoritmos estatísticos para analisar diariamente as mudanças de mercado. "A cadeia de suprimentos, conhecida no segmento empresarial como supply chain, deve funcionar a fim de identificar as necessidades e o fluxo do mercado, de forma estratégica. O desafio da supply chain é responder ao consumidor de forma imediata.
E, para que isso aconteça, deve haver integração de dados, cumprimento de prazos e controle de indicadores de desempenho. Portanto, incentivar a modernização dos métodos da empresa, por meio de ferramentas que captem, organizem e apresentem as informações de forma dinâmica, deve ser um compromisso do setor", destaca.