Endividamento das famílias ultrapassou o percentual de 66%

15/06/2020

As dívidas familiares com cartão de crédito, cheque, carnê da loja, por exemplo, aumentaram com a pandemia. Os dados são da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e mostram um percentual de 66,6% de endividamento, em maio deste ano. No mesmo período de 2019, a taxa era de 63,4%.


De acordo com a economista e planejadora financeira Cecília Perini, os números mostram o "desespero" para consumir que as pessoas tiveram a partir da notícia de isolamento social. "Foi aquele momento em que, cheios de incertezas, muitos correram aos supermercados para estocar alimentos, outros ficaram deslumbrados pelas ofertas online e saíram comprando. Depois, receberam a notícia da demissão ou corte de salário. Resultado: ficaram endividados", explicou.


A proporção de famílias endividadas foi medida pela Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), da CNC. De acordo com a economista da CNC responsável pela pesquisa, Izis Ferreira, "a inadimplência não mostra trajetória explosiva, pelo menos não ainda. Com medidas de auxílio à renda, as famílias mostram alguma resiliência na quitação de seus compromissos financeiros", afirmou.


Por isso, a economista Cecília Perini acredita que seja esse um momento importante para que cada família invista no planejamento das finanças, mesmo tendo dívidas. "Tudo começa com o diagnóstico financeiro. Só a partir daí podemos traçar um plano para liquidar os débitos e ficar no azul. Por pior que seja a situação sempre tem jeito", disse.


Com informações Notícias UOL