Conta Café vai operar também com arábica em 2022

15/12/2021

Conta Café vai operar também com arábica em 2022

O Conta Café passará a operar, a partir do ano que vem, também com o arábica, presente em 80% das propriedades rurais capixabas em regiões mais frias e montanhosas. A plataforma desenvolvida para lojistas do agro e compradores exportadores atua há cerca de dois anos e cobre todo o processo de gestão de compra e venda do café conilon originado da troca, com modelo único e seguro de financiamento.

Segundo os sócios do Conta Café, a meta é de que a nova etapa esteja em pleno funcionamento no início da próxima safra do arábica, em junho. Para que tudo esteja operando com total eficiência na data prevista, eles estão com um projeto-piloto em desenvolvimento onde novas ideias ou abordagens com a opção arábica estão sendo experimentadas.

"A base do trabalho será a mesma do conilon, já testada e validada pelo mercado, mas algumas inovações estão sendo incluídas a partir do aprendizado que tivemos nesta primeira etapa de operação do Conta Café. Nosso objetivo é manter a plataforma em constante atualização e desenvolvimento", afirmou Eduardo Bortolini, sócio-diretor do Conta Café.

Sempre buscando gerar mais valor para produtores, lojistas e comprador exportador, o Conta Café segue buscando agregar novas e eficientes funções à plataforma para a comercialização dos cafés conilon e arábica. Uma delas, previstas para entrar em operação a partir do ano que vem, é a adoção da assinatura digital automática e online via WhatsApp. Com o novo serviço, o envio das propostas e fechamento dos contratos passará a ocorrer de forma dinâmica e segura. O cliente terá seu contrato juridicamente válido em questão de minutos, de forma segura e transparente, esteja ele no campo ou na cidade.

"O produtor rural poderá fechar um contrato de troca com um lojista em segundos, mesmo estando na área rural, e fazer todo o processo de assinatura, na mesma hora, sabendo para quem vendeu, onde entregar e por qual o preço. Tudo digital, sem a necessidade do mundo físico, como por exemplo, ir ao cartório, assinar presencialmente, registrar, nada disso", reforça Bortolini.