Campanha Março Azul Marinho alerta sobre riscos do câncer de colorretal

11/03/2022

O câncer colorretal, que atinge o intestino grosso ou o reto, é um dos tumores malignos mais frequentes e que mais mata em todo o mundo. No Brasil, ele é o terceiro tipo de câncer mais comum em mulheres e homens com mais de 45 anos ou em pessoas que tenham casos na família. No mês de março, a Sociedade Brasileira de Coloproctologia e o Ministério da Saúde reforçam a importância da prevenção, diagnóstico e tratamento precoce do câncer de intestino ou colorretal, por meio da campanha Março Azul Marinho.

No Brasil, o câncer colorretal atinge mais de 40 mil pessoas por ano. De acordo com o INCA, em 2020, cerca de 50 mil pessoas receberam o diagnóstico do câncer colorretal, sendo 20.520 homens e 20.470 mulheres, além de quase 20 mil óbitos por causa da doença. Com o envelhecimento da população, estima-se que o número de mortalidade em virtude da doença aumente até 2025.

A oncologista da Rede Meridional, Camila Oliveira, alerta que é muito preocupante, ainda, o fato de que 85% dos casos de câncer colorretal sejam diagnosticados em fase avançada, quando a chance de cura é menor. "Em países como a Alemanha e os Estados Unidos, em que a prevenção/rastreamento é feita sistematicamente há cerca de 20 anos, houve uma queda de 30% na incidência desse câncer e também na mortalidade na primeira década. Atualmente, na segunda década de prevenção, esses países chegaram a quase 80% na redução da incidência do câncer nos pacientes portadores de pólipos adenomatosos, precursores do câncer de intestino.", afirma.

No câncer já instalado, mas detectado na sua fase precoce, a porcentagem de cura é elevada (acima de 70% e 90%) com o tratamento cirúrgico, complementado ou não pela quimioterapia, desde que a doença não tenha se disseminado para outros órgãos. Até mesmo para os pacientes com câncer avançado, conhecer as características genéticas tumorais possibilitará a indicação de terapias mais assertivas e eficazes.

Principais fatores de risco

• Sedentarismo;

• Obesidade;

• Ingestão excessiva de alimentos gordurosos e industrializados;

• Consumo de álcool excessivo;

• Consumo de alimentos defumados, carne vermelha. Pouca ingestão de frutas, grão e legumes;

• Tabagismo.

• Sintomas que merecem atenção

• Emagrecimento sem motivo

• Sangue nas fezes

• Anemias de repetição

• Cansaço e indisposição sem razão

• Mudanças nos hábitos intestinais sem motivo (diarreia frequente ou constipação).

O que é e como diagnosticar?

O câncer colorretal refere-se aos tumores que se iniciam na parte do intestino grosso (chamado de cólon) e no reto (parte final do intestino, imediatamente antes do ânus). A prevenção e o diagnóstico precoce, por meio do exame de colonoscopia, são essenciais para diminuir a incidência desses tumores, aumentar as chances de cura e preservar a qualidade de vida dos pacientes.

A Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos Estados Unidos (USPSTF) passou a recomendar que a triagem desse tumor comece aos 45 anos, em vez de 50, como é realizado em inúmeros países, inclusive o Brasil.

Tratamento

O tratamento depende da fase da doença. Ele pode ser endoscópico com remoção do tumor por meio de colonoscopia ou, nos casos mais avançados, pode ser necessário cirurgia, quimioterapia e radioterapia. Para um tratamento de sucesso é fundamental seguir as recomendações médicas. O quanto antes iniciá-lo, melhor. Novas tecnologias como aparelhos de endoscopia que permitem a identificação e o tratamento de lesões de forma segura e eficaz contribuem muito.