A chave para o sucesso: Desenvolver Pessoas

21/06/2023

Quando um gestor se concentra apenas nos números e se esquece de seu pessoal, ele perde uma parte inteira do quebra-cabeça para o sucesso. Os números são profunda e irrevogavelmente afetados pelo moral dos funcionários. Sem uma cultura organizacional forte, não aumentamos os resultados ao nível máximo possível. Sem a satisfação do funcionário, a satisfação do cliente desmorona.

Por isso, é essencial que gestores e líderes entendam o impacto do desenvolvimento de seu pessoal sobre os resultados financeiros da empresa. Em geral, o que vemos é a falta de maturidade emocional no local de trabalho. Um gestor imaturo emocionalmente não possui a capacidade de avaliar situações com precisão, perceber emoções em si mesmo e nos outros, usar emoções para tomar decisões e gerenciar seus próprios  sentimentos. Por isso, desenvolver a inteligência emocional é tão essencial para uma gestão eficaz. As empresas que não investem no desenvolvimento da inteligência emocional de seus gestores e equipes, realmente possuem grandes dificuldades em momentos cruciais. E posso citar três exemplos comuns a todas elas:

Momento do Feedback: Para esse momento a IE é imprescindível, pois é fácil ferir sentimentos acidentalmente ou desencorajar os funcionários quando você está dando feedbacks; você precisa de inteligência emocional para encontrar um equilíbrio entre pedir mais e manter uma sensação de segurança psicológica.

Tomada de decisões arriscadas:

A Inteligência Emocional não é apenas sobre empatia; é também sobre ser capaz de tomar decisões difíceis quando necessário e entender como essas decisões afetarão a dinâmica da equipe.

Regulação do estresse:

É preciso inteligência emocional para identificar quando sua equipe está se sentindo sobrecarregada ou esgotada e tomar medidas para resolver o problema antes que ele fique fora de controle. É provável que você fique estressado ao mesmo tempo, então é um equilíbrio entre autorregulação e empatia.

Pesquisas mostram que apenas cerca de 22% dos líderes realmente têm inteligência emocional. Pior ainda, não há muitos locais de trabalho que oferecem treinamento específico para o desenvolvimento da IE. Assim, é fácil imaginar o quanto os gerentes falham sem inteligência emocional adequada.

A ambigüidade de papéis é um dos maiores causadores de problemas para os gerentes. Observo algo que as descrições de cargos de gerenciamento geralmente negligenciam: a responsabilidade de investir e desenvolver seus funcionários. É do seu interesse, de sua equipe e de sua empresa que seu pessoal seja bem-sucedido. E isso significa fornecer ativamente aos funcionários as oportunidades e os recursos de que precisam para crescer. Mas a maioria das empresas, gestores e líderes não atua dessa forma.

Atendo empresas e gestores de diferentes portes, segmentos e países, e é surpreendente como a falta de investimento no desenvolvimento de seu pessoal é comum a praticamente todos.

Na Mentoria Elos Fortes atendo gestores e lideres que também se sentem negligenciados por seus superiores. E os tenho incentivado a argumentar em favor da causa "desenvolvimento de pessoas" em todos os níveis da hierarquia empresarial, sem medo de errar. Num mundo em que a inteligência artificial ameaça empregos e profissões, não é difícil compreender o valor das habilidades humanas - sim, aquelas que o robô nao consegue desenvolver, pelo menos por enquanto.

Se você é líder, gestor ou empreendedor, pergunte-se com frequência se seus funcionários sentem-se vistos e valorizados. Nada diz melhor "você é importante" como conectar um funcionário com mentores, gastar dinheiro em programas de desenvolvimento e ter um interesse ativo em sua trajetória de carreira. Você recebe uma equipe de pessoas altamente qualificadas e motivadas, prontas para assumir novos desafios e impulsionar a empresa. A promoção de uma mentalidade de crescimento oferece uma enorme vantagem competitiva.

E é importante não se confundir metas de promoção com metas de desenvolvimento. Em vez de simplesmente pressionar os funcionários a subir na escada da promoção, devemos perguntar ativamente aos funcionários como eles desejam que seja seu desenvolvimento. Que habilidades específicas eles querem ganhar? Em quais áreas eles querem se especializar ou explorar? Que experiência eles querem ganhar? Podemos nos referir a esse tipo de pensamento como "desenvolvimento alternativo" – certamente não é a ascensão tradicional, mas oferece aos funcionários mais opções para progredir em suas carreiras e evoluir como seres humanos e profissionais.

Para alguns funcionários, subir na hierarquia será uma meta de alta prioridade, e isso é normal. Mas a idéia do desenvolvimento alternativo é fazer com que os funcionários tenham uma visão muito mais ampla de seu crescimento profissional; não se trata apenas de ganhar mais dinheiro ou obter um novo título, mas o evoluir contínuo, o crescimento mesmo do individuo. E esse crescimento certamente o habilitará às próximas promoções.

Agindo dessa forma, a mensagem que você está enviando é clara: valorizamos seu desenvolvimento, não apenas seu título. A chave para realmente ajudar seus funcionários? Foco no desenvolvimento e desejo de garantir que todos na equipe estejam progredindo em direção aos seus objetivos – independentemente de serem tradicionais ou não tradicionais. Incentive-os a pensar fora da caixa e crie oportunidades únicas que lhes permitam explorar seus próprios interesses. Melhor ainda, encontre maneiras de conectar os interesses deles com as necessidades do seu negócio e você criará um sistema de crescimento altamente eficiente. É hora de começar a pensar de forma diferente sobre o desenvolvimento do funcionário – e isso começa com os gerentes comprometidos em ajudar seu pessoal a crescer e ter sucesso.

Lembre-se: todo caminho, por mais longo que seja, começa com o primeiro passo. Então, conte comigo: a Mentoria Elos Fortes é para gestores e líderes que querem viver em Alta Performance.

Margareth Ribeiro | Consultora de Negócios e Mentora de Performances

IG: @mentoria_elos_fortes